RIO PRETO TV

segunda-feira, 27 de março de 2017

Temer admite estabelecer prazo para Estados e municípios mudarem Previdência

O presidente Michel Temer admitiu a possibilidade de incluir uma emenda na proposta de reforma da Previdência, em tramitação na Câmara, estabelecendo prazo de seis meses para que Estados e municípios promovam mudanças nos sistemas de aposentadoria dos servidores. A sugestão foi feita pelo deputado Pauderney Avelino (DEM-AM) e contou com a simpatia de Temer.
Pauderney foi anfitrião de um almoço que, além de Temer, reuniu os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE). Na semana passada, Temer decidiu excluir funcionários públicos estaduais e municipais da reforma enviada pelo governo à Câmara. Fez isso após sofrer forte pressão de deputados da base aliada, que ameaçam votar contra a proposta.
No almoço oferecido neste domingo, 26, porém, o presidente concordou com a ideia de que Estados e municípios tenham um prazo para se adequar às mudanças no sistema previdenciário. "Eu disse que seis meses, a partir da aprovação da reforma, é um prazo razoável. O presidente achou a ideia bem interessante e disse que vai encaminhá-la", contou Pauderney. Mesmo assim, Temer afirmou que não cederá a apelos para mexer nem na idade mínima para aposentadoria nem nas regras de transição.
Acompanhado de vários seguranças, Temer chegou à casa do deputado por volta das 13h30 e ficou lá durante duas horas. A estrela do cardápio era o peixe tambaqui, mas também havia carnes de Goiás. Oito dias após a deflagração da Operação Carne Fraca, o presidente fez questão de ir até a churrasqueira, instalada no quintal, e provar um pedaço do bife ancho, corte de origem argentina. "Mas esse era de Goiás", insistiu o anfitrião.
Terceirização
Além da reforma da Previdência, os convidados também trataram do projeto de lei que regulamenta a terceirização. Na conversa, Temer avisou que deve sancionar a proposta aprovada na última quarta-feira pela Câmara por avaliar que o texto -- mesmo não sendo o ideal - dá segurança jurídica para empregados e empregadores. Disse, porém, que algumas mudanças na terceirização podem ser incluídas na reforma trabalhista, hoje na Comissão Especial da Câmara.
"A ideia é que, se houver qualquer tipo de problema, seja corrigido na reforma reforma trabalhista", comentou Pauderney.
Eunício disse que o Senado vai examinar outro projeto, com regras mais brandas para a terceirização. O novo texto estabelece, por exemplo, responsabilidade subsidiária e solidária das empresas contratantes em relação aos pagamentos dos direitos sociais dos empregados sociais.
O problema é que Temer tem apenas 15 dias para sancionar ou vetar o projeto aprovado pela Câmara, prazo considerado muito apertado para que a outra proposta passe pelo Senado.

Fonte:  Estadão


terça-feira, 21 de março de 2017

A tumba de Jesus Cristo na basílica do Santo Sepulcro, em Jerusalém, já reluz em todo o seu esplendor. É a primeira vez em séculos que se pode ver esse memorial – uma pequena estrutura, semelhante a um templo em miniatura – erguido em 1810 para proteger o local do sepultamento. Ficaram no passado a pedra enegrecida pelas velas dos peregrinos e a estrutura de ferro colocada pelos britânicos na década de 1930 para evitar que o local desmoronasse, depois de ficar seriamente prejudicado por um terremoto.
A equipe multidisciplinar de mais de 50 pessoas, dirigida por Antonia Moropoulou, professora da Universidade Politécnica de Atenas, concluiu o trabalho de limpeza e consolidação da edícula. Depois do seu trabalho, afloraram os tons rosa e bege da pedra, assim como as inscrições e decorações originais, até agora praticamente ocultas. “O maior desafio era fazer com que a intervenção realmente contribuísse para a estabilidade do monumento. Já podemos dizer que a estrutura está firmemente consolidada”, disse nesta segunda-feira a professora Moropoulou junto à obra restaurada.
Ao lado de vários dos seus colaboradores, ela mostrava orgulhosa o trabalho que durante quase nove meses a levou a praticamente morar dentro do recinto do Santo Sepulcro, na Cidade Velha de Jerusalém. Nesse período, os especialistas retiraram grande parte das lajes que recobriam o monumento, injetaram material de reforço nas paredes, limparam-no e então recolocaram as lajes com um sistema de pinos de titânio para impedir o risco de desmoronamento ou de deformação da estrutura. “Trabalhamos dia e noite para cumprir os prazos. O projeto está completo, mas a pesquisa continua”, disse Moropoulou.
Durante os trabalhos de restauração – a intervenção mais importante já realizada na tumba, segundo os especialistas –, eles descobriram que a umidade do subsolo é o outro grande inimigo a vencer. “Será necessário intervir, porque o sistema de túneis sob a edícula não tem uma boa drenagem e pode causar problemas futuros. Por enquanto, uma parte da equipe vai continuar observando o subsolo, e em função de sua evolução decidiremos o que será necessário”, acrescentou a professora.
Inicialmente ela contava com um orçamento equivalente a 10 milhões de reais, mas a equipe já gastou 15% a mais do que o previsto. A cifra final, contando o monitoramento e as pesquisas que ainda serão feitas, se aproximará de 20 milhões. Parte dos recursos foi cedida pelas congregações religiosas que custodiam o Santo Sepulcro – a Igreja Greco-Ortodoxa, a Católica Romana e a Armênia –, e também pela Jordânia, a Autoridade Palestina e dezenas de empresas e doadores anônimos.
Todos concordam sem hesitação que o momento mais emotivo destes meses de trabalho foi, em outubro, a retirada da lápide do sepulcro onde a tradição cristã diz que Jesus foi sepultado, para examinar o estado da pedra. “Pudemos constatar que há elementos que datam da época do imperador Constantino, mas também que as várias intervenções e restaurações das que falam os diários de peregrinos e os textos históricos dos séculos XIV e XVI realmente ocorreram. É história viva”, disse Moropoulou, visivelmente emocionada.
Uma história que a equipe quis preservar para inaugurar o que chamou de “uma nova era” para este local sagrado do cristianismo. “Estamos orgulhosos de que as três principais congregações religiosas tenham sido capazes de se colocar de acordo para tornar isto realidade. Elas demonstraram que realmente são guardiãs da tumba e mandaram uma mensagem muito forte de unidade, que deveria ser um exemplo global”, afirmou a professora. Na opinião dela, respeito imperou.
Agora, diz, só falta que esse bom clima permaneça e que se fomente uma nova cultura na qual sejam abolidas práticas como a queima de velas ao redor da edícula, pois elas foram nocivas para a pedra. “Precisamos de uma nova cultura de peregrinos, mas isso não se pode impor, deve surgir do respeito”, disse.
O padre católico franciscano Eugenio Alliata, especialista em arqueologia cristã, também presente na apresentação da edícula restaurada, confirma que foram retiradas as estruturas ao redor das quais os peregrinos colocavam velas. “Esperemos que isso impeça que voltem a colocar círios perto da pedra e que possamos preservá-la, embora naturalmente continuarão existindo outros lugares onde os fiéis poderão acendê-las”, afirmou Alliata.
Os grandes tapumes que durante meses mantiveram a edícula oculta já estão sendo retirados. Os operários se apressam para que tudo esteja desocupado e limpo antes da cerimônia de quarta-feira, quando será oficialmente inaugurada esta nova era na história do Santo Sepulcro.
                                                             El PAÌS

quinta-feira, 9 de março de 2017

Declaração de repúdio ao Presidente da Câmara dos Deputados

O MSU – Movimento Sindical Unificado gostaria de repudiar veementemente as declarações infelizes que o Presidente da câmara dos deputados Rodrigo Maia fez ao afirmar que a Justiça do Trabalho nem deveria existir e que os juízes são irresponsáveis por ações que vem tomando.
Primeiramente gostaríamos de esclarecer que irresponsáveis é quem realiza declarações como esta, entendemos que a culpa por esta crise gigantesca e fatídica não é do trabalhador, justiça ou muito menos juízes e sim do nosso sistema político que hoje está falido e totalmente sem crédito com a população brasileira.
Esclarecemos que além dos sindicatos a justiça do trabalho é o ultimo recurso que o trabalhador tem para fazer valer os seus direitos e que suas palavras foram extremamente infelizes e sádicas e nós como Brasileiros não podemos permitir que uma pessoa com um cargo tão importante e um salario tão polpudo, seja tão irresponsável e perverso ao fazer estas afirmações, com esta atitude ele mostra claramente de que lado ele esta.
A classe política que ele representa esta sim deveria ser extinta, ele mais uma vez defende apenas o lado do capital e das empresas, esquecendo que quem faz a riqueza de um país são os trabalhadores que dão o seu sangue no dia a dia para que as empresas obtenham lucros.
Ele esquece que a época do chicote já acabou e que os direitos trabalhistas que existem hoje foram frutos de muita luta, dedicação e sacrifício, lembramos ainda que muitos deram suas vidas para que estes direitos fossem garantidos, querer acabar com a justiça do trabalho é tentar voltar em um passado não muito distante quando os trabalhadores eram explorados a trabalhar mais de quinze horas por dia, sem deixar de dizer que atualmente em alguns rincões deste país a escravidão do trabalho ainda existe.


Sergio Paranhos
Presidente do MSU (Movimento Sindical Unificado de São José do Rio Preto e Região) e Presidente do SETH (Sindicato dos Empregados em Turismo e Hospitalidade de São José do Rio Preto e Região)

Reforma da Previdência impacta aposentadorias por invalidez e por deficiência

Aos poucos, com as audiências públicas realizadas na comissão especial, os deputados que analisam a proposta de reforma da Previdência passam a ter contato com mudanças mais específicas, mas de grande impacto para alguns grupos.
É o caso das aposentadorias por invalidez que, com a reforma, passarão a ser chamadas de aposentadorias por incapacidade permanente. São aqueles segurados que ficaram incapacitados durante a vida laboral.
Outra situação é a aposentadoria das pessoas com deficiência, ou seja, pessoas que desde sempre trabalharam sob essa condição. Essa aposentadoria é relativamente nova, foi regulamentada em 2013.
Sem fundamento
Para as aposentadorias por incapacidade, o governo propôs garantir benefício integral apenas para os trabalhadores que ficaram incapacitados durante a atividade laboral.

Os demais cairiam na fórmula geral da reforma que garante 51% da média de salários mais 1 ponto por ano de contribuição. A regra já é diferenciada para servidores públicos.
O deputado Alessandro Molon (Rede-RJ) criticou a mudança: "Quer dizer agora que a aposentadoria por incapacidade permanente, os 100% são um prêmio para quem se acidentou no trabalho? Olha, se você não pode trabalhar porque sofreu isso no trabalho, nós te damos 100%. Agora se você é um desgraçado que perdeu a capacidade de trabalhar por um acidente de trânsito ou por uma bala achada, lamento muito. Azar seu. Tomara que você tenha contribuído muito tempo. Qual é o fundamento disso?"
Coordenador-geral de Serviços Previdenciários e Assistenciais do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), Josierton Bezerra afirmou que as incapacitações fora do ambiente do trabalho são 95% do total.
Na avaliação do servidor público, isso justificaria a mudança proposta. "Eu demonstro que esse benefício, aposentadoria por invalidez, ele é operacionalizado no INSS”, explica Josierton.
“Quando a gente associa a invalidez sem ter relação nenhuma com o trabalho, estes últimos anos trazem uma média de 185 mil benefícios (por ano). Enquanto os benefícios relacionados ao trabalho, eles estão aí na casa de 9 mil a 9.500 nos últimos anos", acrescenta.
Comparações internacionais
O assessor especial da Casa Civil, Bruno Bianco, disse que estas aposentadorias representam 11,3% da despesa do regime geral da Previdência.

Ele disse ainda que comparações internacionais mostram que, no Brasil, o percentual do salário da ativa que corresponde ao benefício é elevado.
Além disso, outros países também fariam a diferenciação entre aposentadorias decorrentes de acidentes de trabalho e as relacionadas a outros tipos de acidentes.
Prejuízos
A reforma da Previdência eleva de 15 para 20 anos o tempo de contribuição mínimo para a aposentadoria por idade das pessoas com deficiência. Segundo Izabel Maior, do Movimento das Pessoas com Deficiência, hoje, com 15 anos de contribuição, este segurado leva 85% da média salarial. Com a reforma, passaria a levar 71%, contribuindo mais.

Reportagem – Sílvia Mugnatto
Edição – Newton Araújo


(Fonte: Agência Câmara Notícias)

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Comissão do Senado aprova legalização dos jogos de azar

BRASÍLIA - Integrantes da Comissão Especial do Desenvolvimento Nacional aprovaram nesta quarta-feira, 9, projeto de lei que legaliza os jogos de azar no País. A proposta segue para discussão do plenário da Casa. O tema conta com apoio do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), que no início do semestre a colocou no rol de prioridades.
De autoria do senador Ciro Nogueira (PP-PI), o projeto estabelece o rol de jogos que poderão ser explorados em território nacional. Entre eles estão os cassinos; bingos; apostas de quotas fixas; apostas eletrônicas; jogo do bicho e sweepstake, espécie de loteria relacionada com corrida de cavalos.
Para o relatório do projeto, senador Bezerra Coelho (PSB-PE), a legalização dos jogos poderá gerar uma arrecadação de R$ 29 bilhões em tributos para o governo, nos próximos três anos. "Creio que conseguimos atender às sugestões que procuravam equilibrar a legalização e o cuidado com os crimes de lavagem", afirmou Bezerra após discussão da matéria
De acordo com a proposta, vai competir aos órgãos federais responsáveis, a serem designados pelo Ministério da Fazenda, a supervisão, a regulação e a fiscalização das atividades relacionadas aos jogos de azar, cabendo à Caixa Econômica Federal o papel de agente operador.
As empresas que tiveram direito à exploração comercial de jogos de azar não poderão fazer, contudo, a transferência dessa concessão à terceiros e nem poderão ter qualquer espécie de subvenção econômica. O acesso aos estabelecimentos de jogos de azar será restrito àqueles com menos de 18 anos.
Fonte: Estadão

segunda-feira, 3 de outubro de 2016

As senhas de wi-fi de todos os aeroportos do mundo

O blogueiro viajante Anil Polat resolver solucionar um problema que muitos de nós sofremos ao perambular pelo mundo: disponibilizou a senha de wi-fi de diversos aeroportos por onde passou. Barajas, onde você pode ter internet de graça por algum tempo, Heathrow, que abre sua rede para uso durante um hora… E se empolgou, passando a oferecer também a lista de senhas das redes sem fio das salas VIP de inúmeras companhias aéreas. 
Quantas vezes precisamos utilizar a internet ao pular para fora do avião e sofremos com a dificuldade (ou ausência total de conexão), ou com altas taxas aplicadas por conta do roaming? É claro que muitas pessoas gostaram dessa lista, e mais do que isso, passaram a colaborar  com Polat para engordá-la e mantê-la sempre atualizada. Dessa forma, criou-se um imenso banco de dados, que foi organizado através de uma página no Google Maps, onde você clica no aeroporto de destino, se informa sobre a senha e nem lembra dos problemas de comunicação vivenciados outrora. As senhas foram ainda compartilhadas em seu blog, tornando público o que antes era privilégio de apenas alguns.
Tamanho foi o sucesso, que Polat decidiu ir além e criar um aplicativo para iOS e Android, em que é possível selecionar o aeroporto de destino e ter acesso a sua senha da rede wi-fi.A iniciativa é atualizada em tempo real e se complementa através do Foursquare, que também aumentou a lista de redes sem fio abertas em aeroportos, com auxílio de seus usuários. E a informação nunca se desatualiza, já que é renovada o tempo todo por quem está perambulando por aí.

Fotos: Wiki commons e divulgação

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

R$ 18 milhões e 68,4% das medalhas: 'força militar' impulsiona pódios no Rio-2016

Arthur Zanetti, campeão em Londres-2012, conquistou a prata nas argolas nos Jogos Olimpicos de 2016. Ao subir no pódio para receber a medalha na Arena Olímpica, prestou continência, gesto que se repetiu mais de dez vezes entre os brasileiros no Rio de Janeiro. O ginasta se uniu à Força Aérea Brasileira há menos de dois meses e engordou a lista de atletas militares do Brasil, número que disparou em quatro anos.
O Paar (Programa Atletas de Alto Rendimento), projeto de incentivo das Forças Armadas do país, tinha estabelecido uma meta para os Jogos Olímpicos: que os atletas militares conquistassem ao menos dez medalhas. O objetivo foi superado. Dos 19 pódios do Brasil no Rio, 13 foram deles, o que corresponde a 68,4%. Dos 465 esportistas que representaram o país, 145 são militares, ou 31,1%.
As medalhas de oficiais em casa foram: Felipe Wu (prata no tiro esportivo), Arthur Nory (bronze na ginástica artística) e Arthur Zanetti (prata); Thiago Braz (ouro no salto com vara), Robson Conceição (ouro no boxe), Ágatha-Bárbara (prata no vôlei de praia), Rafaela Silva (ouro no judô), Mayra Aguiar (bronze) e Rafael Silva (bronze); Poliana Okimoto (bronze na maratona aquática), Martine-Kahena (ouro na vela), Bruno-Alison (ouro no vôlei de praia) e Maicon Siqueira (bronze no boxe).
O número de atletas e de pódios é bem superior a Londres-2012. Há quatro anos, apenas 19,6% dos atletas eram das Forças Armadas: 51 de 259. E das 17 medalhas conquistadas pelo país, cinco foram de oficiais, ou 29,4% delas: bronze de Felipe Kitadai (judô), Mayra Aguiar (judô), Rafael Silva (judô) e Yane Marques (pentatlo) e ouro de Sarah Menezes (judô).
Até este ano, o valor investido era de aproximadamente R$ 15 milhões em salários e outros R$ 3 milhões na compra de equipamentos, em reformas de locais de treinos e organização de competições. No que depender do governo federal, a equipe das Forças Armadas continuará recebendo apoio. No início de agosto, o Ministério da Defesa anunciou a continuidade do Paar, com cerca de R$ 18 milhões assegurados para 2017.

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Impeachment: Senado decide levar Dilma a julgamento

O Senado decidiu levar a presidente Dilma Rousseff ao julgamento final no processo de impeachment. Foram 59 votos nessa direção e 21 contrários. O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), não votou. O resultado sinaliza que o afastamento deve ser definitivo, uma vez que na fase final são necessários 54 votos entre os 81 senadores.
Os senadores decidem sobre a pronúncia, decisão de levar a julgamento, em cinco votações. Eles já rejeitaram preliminares apresentadas pela defesa e aprovaram que ela irá a julgamento pela edição de um decreto de crédito suplementar que seria incompatível com a meta fiscal. Analisarão ainda em votações separadas outros dois decretos e a acusação de "pedalada fiscal" por atrasos de repasses do Tesouro ao Banco do Brasil por despesas do Plano Safra.
Caberá agora aos juristas responsáveis pela acusação preparar o libelo acusatório para o julgamento final. Eles pretendem fazer isso ainda nessa quarta-feira. Com isso, o julgamento poderá, pelos prazos previstos na lei do impeachment, a partir do dia 23 de agosto.
Em seu relatório, o senador Antonio Anastasia (PSDB-MG) afirmou que Dilma teria praticado um atentado à Constituição com esses atos e, por isso, merecia ir a julgamento. Ele afirmou que Dilma tinha a obrigação de realizar os pagamentos relativos às pedaladas e que os decretos editados por ela eram incompatíveis com a meta fiscal e foram adotados sem autorização do Congresso.
A defesa, por sua vez, argumenta que não há ato de Dilma nas pedaladas. Sustenta que a decisão sobre os pagamentos não eram de sua alçada e questionam o entendimento de que os atrasos transformariam a relação com o Banco do Brasil em operação de crédito, prática vedada pela Lei de Responsabilidade Fiscal. Sobre os decretos, sustenta que pareceres técnicos sustentavam a edição e que eles não impactavam na meta porque os créditos só poderiam ser usados de acordo com os limites de contingenciamentos.
O Palácio do Planalto e o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), atuaram durante todo o dia de ontem para agilizar a votação. O governo orientou os senadores aliados a não “caírem em provocações” dos defensores de Dilma e incentivou desistências de discursos para abreviar a sessão.
O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandoswki, que assumiu ontem o comando do processo de impeachment, tornou-se um aliado inesperado, ao impor desde cedo celeridade à sessão.
A decisão da acusação de antecipar seus prazos vai impactar a estratégia da defesa. Os advogados da presidente afastada terão somente até sexta-feira para apresentar sua contestação à acusação.
— Até o início da tarde será apresentado. É um resumo, uma síntese da acusação. É mera formalidade — disse ao GLOBO Miguel Reale Jr., negando que tenha recebido qualquer pedido direto do Palácio do Planalto para antecipar a entrega dos documentos.
Fonte: Agência O Globo

terça-feira, 9 de agosto de 2016

Brasil segura a Espanha na última bola e vence a primeira no basquete

Reação tem sido a palavra chave da Seleção Brasileira masculina de basquete na Olimpíada do Rio de Janeiro. Depois de quase conseguir uma virada histórica sobre a Lituânia na estreia, a equipe nacional venceu a Espanha por 66 a 65, nesta terça-feira. na Arena Carioca 1, obtendo seu primeiro triunfo na competição.
Rubén Magnano promoveu duas alterações no time titular em relação à estreia: saíram Alex e Rafael Hettsheimeir, e entraram Marquinhos e Augusto Lima. Marcelinho Huertas, Leandrinho e Nenê completaram o quinteto. Com essa formação, o Brasil começou muito melhor do que contra a Lituânia e chegou a abrir oito pontos de vantagem, vencendo o primeiro quarto por 18 a 13.
No segundo período, com a entrada dos reservas, a Espanha fez valer a força de seu elenco e virou faltando 3:55: 28 a 27. Mas a Seleção não deixou os europeus dispararem, reagiu e foi para o intervalo vencendo por 34 a 31.
Logo no começo do terceiro período, com o time titular de volta, Marquinhos e Nenê chegaram à terceira falta e tiveram que sair. Alex e Felício entraram. Apesar das mudanças forçadas, a Seleção conseguiu uma bela corrida para abrir 42 a 33. A partir daí, os problemas com faltas dos anfitriões pesaram, e a Espanha chegou a empatar em 45 a 45. Mas o Brasil reagiu a tempo de fechar o quarto vencendo por 53 a 45.
A parcial final começou com o Brasil abrindo 56 a 45, mas fazendo três faltas logo nos primeiros minutos. Quando a Seleção estourou o limite, a Espanha chegou na base dos lances livres e chegou a virar faltando pouco mais de dois minutos: 64 a 63. A partir daí, os dois times mostraram dificuldades para pontuar no 5 contra 5.
Após dois lances livres desperdiçados por Pau Gasol, Marquinhos corrigiu arremesso errado de Marcelinho Huertas e colocou o Brasil à frente faltando 5,5 segundos: 66 a 65. Na última posse espanhola, Sergio Lull errou arremesso, e a vitória da Seleção foi decretada.
O Brasil volta a jogar na quinta-feira, novamente às 14h15, na Arena Carioca 1, contra a Croácia. No mesmo dia, às 19h, a Espanha enfrenta a Nigéria.

Rafaela Silva desabafa: 'O macaco que tinha que estar na jaula hoje é campeão'

Em entrevista à Rede Globo nesta segunda-feira (8), após receber a medalha de ouro conquista no judô, Rafaela Silva lembrou das dificuldades até a caminhada a tão sonhada medalha.
Com um wazari, a judoca bateu na final Sumiya Dorjsuren, da Mongólia e atual líder do ranking, para dar ao Brasil sua segunda medalha nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.
“Eu tinha visto a chave. Eu esperava que ela fosse passar na chave e que a gente se cruzaria; eu só pensava que não queria sentir aquela sensação de novo”, disse, relembrando a derrota para a adversária na segunda rodada em 2012.
Vitima de racismo nas redes sociais após a derrota para Symiya, Rafaela Silva se que a história já passou, mas fez um desabafo. “Já passou, tem quatro anos. Eu só posso falar: o macaco que tinha que estar na jaula em Londres hoje é campeão olímpico em casa. Hoje eu não sou a vergonha para a minha família”, declarou a brasileira, relembrando a preocupação com o reencontro diante de Karakas – a húngara foi sua rival nas quartas de final em 2016.

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Na abertura dos Jogos, Suécia supera a África do Sul no futebol feminino

No primeiro evento das Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro, a Suécia venceu a África do Sul, por 1 a 0, no Engenhão, pelo grupo E do futebol feminino. O gol das europeias foi marcado por Fischer, já na metade final da partida, em falha da goleira Barker.
A Suécia teve as chances mais claras do primeiro tempo, e a maioria no início da partida. Logo aos 4, Jakobsson finalizou forte, mas a bola acertou a trave. Logo depois, Schelin teve boa chance, mas não conseguiu balançar a rede.
Após o bom início, as europeias perderam o ímpeto e as africanas conseguiram se organizar. O jogo tornou-se lento, sem emoções. Assim, as equipes foram para o intervalo empatadas, sem gols.
No segundo tempo, a situação manteve-se igual. A Suécia dominando a partida, mas sem conseguir pressionar para abrir o placar. A goleira da África do Sul, Barker, teve trabalho em alguns momentos, e fez boas defesas. Porém, aos 29, ela falhou, e o time europeu abriu o placar.
As europeias cruzaram a bola na área, e a arqueira saiu mal. Na sequência, novo levantamento, e nova falha da goleira. Fischer não perdoou e empurrou para as redes, marcando o primeiro gol dos Jogos Olímpicos.
Após o tento, a equipe comandada por Pia Sundhage, técnica bicampeã olímpica pelos Estados Unidos, manteve o domínio e administrou a vitória, sem maiores dificuldades.

Na próxima rodada, as suecas encaram a Seleção Brasileira, no sábado, às 22 horas (de Brasília), novamente no Engenhão. As africanas, por sua vez, terão a China pela frente, no mesmo estádio, às 19 horas.

domingo, 31 de julho de 2016

Paulista Feminino: Rio Preto vence Portuguesa de virada e está perto da semifinal

Na sequência da segunda fase do Campeonato Paulista Feminino, as meninas do Rio Preto, foram até São Paulo, e de virada venceu a Portuguesa, pelo placar de 3 a 1. Lucélia, marcou para a Lusa, enquanto Mí, duas vezes e Adriana, fizeram para o Rio Preto.
Com o triunfo, o time rio-pretense pode até perder por dois gols de diferença que mesmo assim passa para a semifinal, onde vai pegar o vencedor de XV de Piracicaba e AD Centro Olímpico. No jogo de ida deu XV, 2 a 1. 
Assim que o árbitro apitou o início do jogo a Portuguesa a um minuto abriu o caminho do gol com Lucélia. A zaga rio-pretense bateu roupa. Quatro minutos depois, quase o empate dos visitantes. A volante Jéssica apareceu de surpresa e, de cabeça acertou a trave. Aos 26, em busca do tento de empate a goleira Michelle fez uma grande defesa no chute cara a cara de Kamila. De tanto insistir veio o gol de empate com Mí, aos 38 minutos que deixou tudo igual.

HÁ UM PASSO DA SEMIFINAL
Na etapa complementar o Rio Preto veio com tudo e, de virada conseguiu um excelente resultado. Logo aos 5 minutos, em tarde inspirada Mí, fez o segundo. Aos 25, Adriana aumentou para 3 a 1. O time comandado pelo técnico Chicão Reguera, poderia sair de campo com uma goleada em cima da Lusa. Acertou duas vezes a trave do time do Canidé. Por aquilo que apresentou principalmente no segundo tempo o placar foi mais que justo.

PRÓXIMO JOGO
As duas equipes voltam a campo no próximo sábado, desta vez em São José do Rio Preto, no estádio Anísio Haddad, ás 15 horas.
--
FICHA TÉCNICA
PORTUGUESA 1X3 RIO PRETO
Local: Estádio: Dr. Oswaldo Teixeira Duarte, Canidé, em São Paulo
Árbitro: Regildenia de Holanda Moura
Assistentes: Débora Moraes Frik dos Santos e Amanda Pinto Matias
Gols: Lucélia, 1´\1T(Portuguesa); Mi, aos 38´\1T, Mí, aos 5, Adriana, aos 25´\2T(Rio Preto)
Cartões Amarelos: Naty, Edna(Portuguesa); Gabi(Rio Preto)

PORTUGUESA
Michelle; Naty (Thaís), Letícia, Day e Natália; Nega, Edna, Dany e Gil (Flávia); Lucélia (Joelma) e Jack
Técnico: Prisco Sylvio Palumbo

RIO PRETO
Raíssa; Mônica (Edilaine), Ana Alice, Siméia e Mary (Lelê); Jéssica, Gabi (Letícia) e Suzana; Adriana (Letícia Seabra), Mí (Daiane) e Kamila
Técnico: Chicão Reguera.